Abraham Weintraub escreveu 'imprecionante' ao enviar mensagem ao deputado Eduardo Bolsonaro, filho de Jair Bolsonaro.

Esta não é a primeira vez que ministro comete erro de grafia.

O ministro da Educação, Abraham Weintraub Wilson Dias/Agência Brasil O ministro da Educação, Abraham Weintraub, cometeu um erro de português nesta quarta-feira (8) ao escrever em uma rede social que um fato era "imprecionante".

Ele redigiu a palavra impressionante de maneira incorreta ao enviar uma mensagem ao deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP). Após a mensagem ter sido publicada, diversos usuários da rede social responderam, informando a ele o erro.

A publicação foi apagada posteriormente. Filho do presidente Jair Bolsonaro, Eduardo Bolsonaro publicou a seguinte mensagem: "Ministros @AbrahamWeint e @SF_Moro nunca tivemos no Brasil uma pesquisa feita por órgão oficial sobre o uso defensivo de armas de fogo.

Só existiu uso ofensivo para exatamente demonizá-las.

Seria interessante apoiar um projeto assim, caso haja oportunidade". Abraham Weintraub, então, respondeu: "Caro @BolsonaroSP, agradeço seu apoio.

Mais imprecionante: Não havia a área de pesquisa em Segurança Pública.

Agora, pesquisadores em mestrados, doutorados e pós doutorados poderão receber bolsas para pesquisar temas, como o mencionado por ti, que gerem redução da criminalidade." Na mesma publicação, Weintraub não utilizou hífen na palavra pós-doutorados. Esta não é a primeira vez que Weintraub comete esse tipo de erro.

Ele já escreveu, por exemplo, "paralização" e "suspenção".

As palavras corretas são paralisação e suspensão.